Nossa primeira vocação: a santidade

“Ele nos escolheu para sermos santos e irrepreensíveis sob seu olhar, no amor” (Ef 1,4).

Este é o nosso primeiro chamado. Nossa primeira vocação. O artista plástico pega o barro e trabalha nele com as próprias mãos. Modela-o, dá a ele a forma que quer. Depois pinta e, por fim, leva ao forno para transformá-lo numa peça artística. É desse jeito que Deus trabalha em nós. Não passamos de barro, mas o Senhor nos toma em Suas mãos e trabalha até chegarmos à forma que Ele quer. Depois disso Ele nos leva ao “forno”, pois é preciso passar pela prova do fogo.

Assim como o artista contempla sua peça depois de pronta, Deus Pai quer contemplar, com amor e alegria, a obra que Ele fez em nós. Sua meta é que nos tornemos santos e irrepreensíveis a Seus olhos, no amor. É preciso muita técnica para trabalhar o barro: não podem ficar pedrinhas, ciscos, sujeira alguma; do contrário, esse material racha e a peça se perde. Mas se a peça é bem trabalhada, o barro resiste ao fogo e ela fica perfeita.

Esta é a primeira vocação de todo batizado. Todas as outras vocações são formas concretas de vida a que Deus chama para que possamos realizar nossa primeira vocação: a santidade. E assim como os anjos foram provados, nós o seremos também. Estamos passando pela prova. Nossa vida é o exame de seleção. Nele ou somos aprovados ou somos reprovados.

(Trecho do livro de monsenhor Jonas Abib

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.