Perdão e providência estão intimamente ligados

Perdão e providência estão intimamente ligados. Urge fazer essa experiência e dar a Deus a chance de abrir as válvulas do nosso coração para “derramar” o perdão. Todos nós passamos por situações dolorosas, que nos marcaram muito, por isso, ficamos magoados. São situações que envolvem pessoas, instituições, acontecimentos… Pode ser que até estejamos magoados com Deus.

Quantas vezes perguntamos: “Por que Deus fez isso comigo? Por que Ele me colocou nesta família? Por que levou meu filho? Por que não me deu a graça de ser mãe, de gerar um filho? Por que permitiu essa situação no meu casamento? Por que deixou que meu filho se viciasse em drogas; que minha filha se perdesse? Por que me tirou um ente querido? Por que levou para longe de mim alguém a quem eu tanto amava?” Tantos “por quês”…

São situações que não aceitamos. Não conseguimos entender e, por isso, ficamos magoados com Deus. Talvez até pensemos que o nosso motivo é justo. Mas veja bem: esse “ficar sentido com Deus” é como um coágulo dentro das veias do nosso coração: ele impede a graça de Deus.

Para muitos de nós é difícil perdoar, porque isso implica tocar nas feridas e mexer em situações dolorosas, implica abrir o coração e remexer no “lixão” de nossa vida. Seria mais fácil não tocar em nada disso! Mas, imagine conservar uma lata cheia de lixo um mês dentro da sua casa! Ninguém iria agüentar o mau cheiro.

Jogar fora o lixo significa colocá-lo aos pés da Cruz de Jesus, para que possa ser queimado. O lugar desse lixo não é o seu coração, é o pé da Cruz de Jesus. Não é o seu coração, é o Coração de Jesus.

Esse convite ao perdão não é uma imposição. Você poderia dizer: “Além de tudo que eu já passei, ainda sou obrigado a perdoar?” Não! Deus quer lhe dar a graça de retirar de seu coração tudo que está estragado. Lembre-se: Deus é amor! Somos Sua imagem e semelhança. Por isso, dentro de nós só podem ficar o amor e o que ajuda a amar. Aquilo que é contrário ao amor é tóxico e venenoso.

Somos feitos para o amor!

Por isso, é preciso viver o amor em plenitude. E, para viver bem essa proposta é preciso ter fé e confiança em Deus.

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.