Amar ou não amar?

Deus nos criou para amar. Amar é uma vocação nossa. Aos que foram chamados foi-lhes dada a capacidade de irem se dando a conhecer, com um empenho crescente, aos outros membros do corpo de que fazem parte.

Todos os que foram chamados foram também capacitados. É uma questão de ir dando os passos em cooperação à graça recebida. É uma questão de ir fazendo um trabalho de crescimento pessoal para que se tenha pouco a pouco coragem de dar-se a conhecer. E para ir assumindo, passo a passo, a longa caminhada de cura, deixando-se a conhecer por aqueles que vamos descobrindo como membros do mesmo corpo.

Não se trata aqui de se revelar a todos igualmente. Naturalmente, Deus já nos criou mais próximos e mais ligados a alguns. É por esses que temos de começar, dando passos num empenho sempre crescente de se dar a conhecer.

Dar ou não dar passos no “dar-se a conhecer” é sinal de estar correspondendo ou não ao próprio chamado. O básico é dar passos. O não querer dar passos é sinal de não querer corresponder ao próprio chamado. Fugir ou evadir-se é sinal de fuga, de evasão ao próprio chamado. É sério? Sim, é. Não posso dizer isso de forma diferente.

Seu irmão,
Pe. Jonas

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.