Irmã Dulce, uma vida de santidade

Quero partilhar com você a alegria que viveremos com a Igreja no Brasil neste mês: a beatificação da Irmã Dulce. Seu nome de batismo é Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, nascida em 26 de maio de 1914, filha do cirurgião dentista Augusto Lopes e de Dulce Maria de Souza. Aos treze anos, a pequena Maria Rita havia transformado a casa da família em centro de atendimento de pessoas carentes e, assim, nasceu sua vocação.

Mulher de frágil aparência, mas forte de coração. Tem em seu currículo de vida cristã uma imensidade de obras sociais, atestando que sua santidade de vida nunca ficou alienada da realidade que a cercava e que a caridade foi o meio concreto encontrado por ela para manifestar seu amor a Jesus nos irmãos mais pobres e necessitados.

O começo do processo de beatificação data de 17 de janeiro de 2000. No ano seguinte, foi divulgado um milagre e, em 2002, o processo levado para análise do Vaticano. Para que ela fosse proclamasse beata, uma extensa papelada foi encaminhada ao Vaticano, que fez o reconhecimento jurídico, em junho de 2003, sobre a veracidade do milagre atribuído a ela.